Liao Chien-tsung, o piloto do avião de passageiros que se caiu em Taiwan, desligou o único motor que estava a funcionar, por engano. O acidente fez 43 mortos e 15 conseguiram sobreviver.

“Wow, puxei o acelerador do lado errado”, disse o piloto segundos antes  de se despinhar.


O voo da TransAsia atingiu uma ponte e caiu no rio Keelung, pouco depois da descolagem. O avião tinha atingido uma altitude de apenas 365 metros quando o alarme soou, alertando para a perda do segundo motor na altura da descolagem.

Apesar do alarme relativo à perda do segundo motor, o piloto ordenou que se desligasse o primeiro. Sem os dois motores, o caos instalou-se no cockpit, enquanto os pilotos tentavam fazer com que estes reiniciassem.
 
O Conselho de Aviação confirmou que o piloto tinha falhado um teste para simular a descolagem e o arranque dos motores, o ano passado.

Liao Chien-tsung começou por ser aclamado como um herói, por ter desviado o avião de casas e pessoas, fazendo com que este se despenhasse no rio. As novas descobertas vêm reverter o discurso público, impulsionando uma resposta do pai do piloto, Liao Hsien-ming.

“No final do dia, o meu filho está morto. Ser visto como um herói ou como o culpado não tem qualquer importância para nós neste momento”, afirmou em entrevista ao United Evening News, acrescentando que estava muito orgulhoso do filho por ter tentado reduzir o número de mortos.


O processo ainda continua em investigação e o Conselho de aviação ainda tem de apurar as razões por trás das ações do piloto. A primeira versão do relatório do acidente deve ser publicado em novembro e a versão final deve chegar a público em abril de 2016.