O primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, disse hoje que o Japão trabalhará para garantir que a cimeira entre o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, seja um êxito.

O Japão “está determinado a fazer todos os esforços para que esta seja uma cimeira histórica que implique avanços no que diz respeito a armas nucleares, mísseis e sequestros [de cidadãos nipónicos por parte da Coreia do Norte]”, afirmou Shinzo Abe num discurso em Shiga, citado pela agência de notícia Kyodo.

A resolução dos sequestros de cidadãos nipónicos pelo regime norte-coreano é uma das principais exigências de Tóquio para poder estabelecer relações diplomáticas com Pyongyang.

O Japão sustenta que entre 1977 e 1983 pelo menos 17 cidadãos foram sequestrados pela Coreia do Norte para roubar as suas identidades ou treinar espiões.

Japão e Coreia do Norte já fizeram duas cimeiras, em 2002 e 2004, nas quais participou o ex-primeiro ministro nipónico Junichiro Koizumi e o pai do atual líder norte-coreano, Kim Jong-il.

Nestes encontros, a Coreia do Norte admitiu que sequestrou 13 cidadãos do Japão nas décadas de 1970 e 1980, dos quais cinco puderam regressar ao país, enquanto os outros oito teriam morrido, uma versão de que Tóquio desconfia.

A questão ficou estagnada desde então, sem que o paradeiro dos outros japoneses sequestrados – Tóquio mantém que foram pelo menos 17 - fosse esclarecido.

O presidente dos EUA confirmou na sexta-feira a realização da cimeira com o líder da Coreia do Norte para dia 12 em Singapura, após um encontro com o ‘número dois’ do regime de Pyongyang.

“O processo vai começar em 12 de junho em Singapura”, anunciou Donald Trump aos jornalistas após um encontro de mais de uma hora com o general norte-coreano Kim Yong Chol.

O responsável norte-coreano, que viajou para os EUA na quarta-feira, deslocou-se a Washington e reuniu-se com Trump na Casa Branca, a quem entregou uma carta pessoal do presidente norte-coreano Kim Jong-un.

Nas declarações após o encontro, o Presidente dos EUA afirmou que a Coreia do Norte pretende desnuclearizar-se e sugeriu que o diálogo com Pyongyang será “um processo coroado de sucesso”.

Após considerar que a reunião com o enviado norte-coreano “correu muito bem”, o chefe da Casa Branca considerou ainda que o encontro de dia 12 será “um começo”.

Inicialmente, a data avançada para a cimeira entre Washington e Pyongyang foi 12 de junho, em Singapura, mas essa meta foi inesperadamente anulada por Trump em reação à “hostilidade” manifestada pela Coreia do Norte.

Os contactos seriam posteriormente retomados e as negociações estão atualmente a prosseguir em várias frentes.