A Coreia do Sul diz que o poderoso míssil que a Coreia do Norte testou esta semana é potencialmente capaz de atingir alvos a 13 mil quilómetros, o que colocaria Washington ao seu alcance.

O Ministro da Defesa disse hoje que é necessária mais análise para determinar se a ogiva do míssil balístico intercontinental pode sobreviver uma reentrada na atmosfera e atingir o alvo com precisão.

Governo e analistas externos concordam que o Hwasong-15 ICBM representa um significativo passo em frente, colocando a Coreia do Norte muito perto do objetivo de ter um arsenal viável de mísseis nucleares de longo alcance.

Na quarta-feira Pyongyang lançou um míssil que disse ser capaz de alcançar “todo o território dos Estados Unidos”.

O míssil foi disparado em direção a leste a partir da província de Pyongan do Sul, a cerca de 25 quilómetros da capital norte-coreana, Pyongyang, por volta das 03:17 (18:17 de terça-feira em Lisboa).

O projétil percorreu cerca de 960 quilómetros, atingindo uma altitude de mais de 4.000 quilómetros, antes de se despenhar no Mar do Japão (denominado de Mar do Leste nas Coreias).

Tal representa a máxima altitude alcançada até à data por um míssil norte-coreano e sinaliza um novo e perigoso avanço do programa norte-coreano.

Este é o terceiro míssil balístico intercontinental (ICBM) disparado pela Coreia do Norte depois dos dois lançados no passado mês de julho.