Pelo menos 37 pessoas morreram, esta quarta-feira, e 80 ficaram feridas num ataque na região oeste do Iémen. O alvo foi uma unidade de produção de leite na província de Hodeida e há relatos diferentes sobre a origem dos projéteis.

Algumas testemunhas citadas pela AFP disseram que foram os rebeldes huthis, que têm uma guarnição próxima da fábrica de leite, que dispararam obuses. Outras disseram que a instalação foi atingida pelas bombas lançadas pelos aviões da coligação árabe liderada pela Arábia Saudita. Uma fonte militar em Hodeida, que a agência francesa diz não estar ligada a qualquer dos lados do conflito, disse que a tese mais provável é a do ataque aéreo.

Na fábrica de leite morreram sobretudo trabalhadores, disseram as fontes locais contactadas pelas agências noticiosas internacionais. A maior parte foi vítima do rebentamento de um reservatório de gás atingido por uma bomba. Uma parte significativa da fábrica ficou destruída.

O ataque é o primeiro a provocar a morte de civis desde que a Arábia Saudita decidiu apoiar o Governo, atualmente refugiado em Aden, na luta contra o avanço das milícias xiitas huthis. O ataque ocorreu no sétimo dia da campanha aérea contra os huthis e num momento em que a coligação intensifica os raides em Aden. Nesta importante cidade portuária do sul do país, além de aviões, estão a ser usados nos bombardeamentos navios de guerra fundeados ao largo da cidade.

O quartel-general da 5ª Brigada, leal ao ex-Presidente Ali Abdallah Saleh, deposto em 2011 por pressão da Arábia Saudita e aliado dos huthis, foi atingido no Norte de Áden.