Um tribunal superior egípcio aceitou esta quinta-feira o recurso apresentado por três jornalistas da Al-Jazera, condenados a penas de prisão entre os sete e os dez anos, e ordenou a repetição do julgamento.

Segundo a estação de televisão, o juiz estipulou que os repórteres se mantenham em prisão.

Os jornalistas, trabalhadores da Al-Jazera em inglês, são o australiano Peter Greste, o egípcio com passaporte canadiano Mohamed Fahmy e o egípcio Baher Mohamed.

Os três jornalistas foram condenados em  junho a sete anos de cadeia. O tribunal deu como provado terem espalhado notícias falsas de modo a favorecer a Irmandade Muçulmana, de acordo com a BBC. 

Num julgamento que foi «politizado» segundo algumas vozes, outros três jornalistas foram condenados a dez anos de prisão à revelia.