A IKEA chinesa viu-se obrigada a pedir desculpas, na última terça-feira, por causa de um anúncio que, alegadamente, era ultrajante para as mulheres solteiras. O anúncio provocou uma onda de indignação nas redes sociais e chegou mesmo aos escritórios da casa mãe, na Suécia.

O anúncio, de 29 segundos, foi divulgado na plataforma Sina Weibo, um microblog muito popular na China, equivalente ao Twitter. Sob o slogan “celebra todos os dias de uma maneira fácil”, o anúncio mostra um jantar de família, pai, mãe e filha. A determinada altura, a mãe, feroz, diz à filha: “Não voltes a chamar-me mãe enquanto não trouxeres um namorado para casa”.

De repente, a campainha de casa toca e, à porta, está um jovem com um ramo de flores, que a jovem apresenta aos pais como o namorado. Toda a sala se transforma, se enche de móveis IKEA e até um jantar congelado se transforma num banquete, para dar as boas-vindas ao namorado.

 

Rapidamente o anúncio foi considerado ultrajante para as mulheres solteiras e sexista, com os internautas a exigirem à empresa sueca que o retirasse do ar.

O anúncio passou apenas na China, mas, de acordo com o porta-voz da subsidiária chinesa do IKEA, Xu Lide, citado pelo jornal chinês Global Times, foi interpretado pela casa mãe como uma lição.

Num comunicado divulgado também no Weibo, a empresa anunciou ter tomado conhecimento do desagrado provocado pelo anúncio pelos próprios clientes e apresentou “desculpas sinceras por ter transmitido uma impressão errada”. No mesmo comunicado, a empresa garantiu também ter contactado todas as plataformas para que o anúncio fosse retirado do ar.

Xu Lide disse ao Global Times que a empresa ecoraja todos os estilos de vida e sublinhou que “a igualdade de género é fundamental para a cultura e valores do IKEA”.