No ano acabado no 3º trimestre de 2013, a capacidade de financiamento da economia portuguesa aumentou para 1,8% do PIB (1,6% no 2º trimestre de 2013). À semelhança do trimestre anterior, em larga medida esta evolução refletiu a melhoria do saldo externo de bens e serviços.

Já a taxa de poupança das famílias diminuiu ligeiramente para 13,5% no 3º trimestre de 2013 (13,6% no 2º trimestre de 2013), em resultado da redução ligeiramente mais acentuada do rendimento disponível que a redução do consumo final das famílias.

Ainda assim, a capacidade de financiamento das famílias manteve-se praticamente inalterada (7,8% do PIB). Os saldos das sociedades não financeiras e das sociedades financeiras fixaram-se em -1,9% e 2,1% do PIB no ano terminado no 3º trimestre de 2013, respetivamente.