A desgraça voltou a aterrar no centro de paraquedismo Parachute Center, em Central Valley, no Estado norte-americano da Califórnia. Criado há 52 anos e conhecido como um dos mais antigos dos Estados Unidos, oferece a experiência de um salto em queda livre a 13 mil pés (cerca de quatro mil metros) pelo preço de 100 dólares (90 euros).

Aparentemente, os dois homens que morreram no passado sábado participavam numa dessas aulas práticas de queda livre. As suas identidades ainda não foram reveladas. Sabe-se apenas que eram jovens e caíram numa vinha, porque o paraquedas não abriu.

O paraquedas não abriu corretamente. Não temos explicação para tal. Parece que algo saiu fora do esquema e causou um problema”, afirmou à estação de televisão KCRA-TV, Bill Dause o proprietário do centro de paraquedismo, marcado ao longo dos tempos por diversos acidentes.

História com episódios dramáticos

De acordo com a polícia local, os corpos dos dois paraquedistas foram encontrados numa vinha e os paraquedas só terão aberto após o embate no solo. Cabe agora às autoridades aeronáuticas apurar o que verdadeiramente se passou.

Já o proprietário do Centro, Bill Dause, adiantou que um dos mortos era um instrutor independente com mais de 700 saltos realizados.

O Parachute Center já antes for a palco de acidentes. Em maio, um pequeno avião com 17 pessoas a bordo levantou do Centro, teve um problema e aterrou de barriga para o ar, sem causar mais do que ligeiros ferimentos nos ocupantes.

Mas antes, em fevereiro, a imprensa local dera conta da morte de mais uma pessoa na sequência de um salto em queda livre, ao que se soube, devido a mau funcionamento do respetivo paraquedas.