A Amnistia Internacional (AI) denunciou, esta segunda-feira, os “abusos horríveis” de que são vítimas os migrantes na Líbia e exigiu à comunidade internacional que assuma as suas responsabilidades e disponibilize mais navios de resgate no Mediterrâneo.

Num relatório intitulado “A Líbia está cheia de crueldade: histórias de raptos, violência sexual e abusos contadas por migrantes e refugiados”, divulgada nas páginas internet da organização internacional de direitos humanos, a AI frisa que a violência na Líbia é uma das causas que leva muitos migrantes a arriscarem a vida no mar para chegar à Europa.

“A Líbia é há anos tanto um destino como um país de trânsito para migrantes e refugiados que fogem da pobreza, dos conflitos ou da perseguição na África subsaariana e no Médio Oriente. Mas o aumento da violência (…) exacerbou os riscos que enfrentam, levando até comunidades de migrantes já bem integradas, que vivem e trabalham naquele país há anos, a fugirem para a Europa por barco”, afirmou, em comunicado, o diretor da AI para África e Médio Oriente, Philip Luther.