A Aston Martin apresentou nesta quarta-feira em toda sua plenitude visual o Valkyrie, o hiperdesportivo concebido pela marca inglesa com a Red Bull Advanced Technologies e a parceira de projeto AF Racing.

Um cockpit em forma de lágrima é percorrido a toda a extensão por tubos Venturi em cada um dos lados gerando por baixo os fluxos de ar para o difusor traseiro proporcionadores da enorme pressão aerodinâmica e libertando a superfície superior de dispositivos aerodinâmicos que interferissem com a pureza do estilo.

Os bancos são montados logo em cima do chão do cockpit elevando os pés na posição de condução ao estilo dos F1 ou dos protótipos de Le Mans. Todos os comandos estão no volante destacável com todos os sinais vitais exibidos num único ecrã OLED.

O desenho do vidro do para-brisas foi pensado para que a visão frontal e periférica seja virtualmente ininterrupta. E, também a bem da aerodinâmica, os tradicionais espelhos retrovisores nas portas foram substituídos por câmaras montadas de forma discreta nos flancos do Valkyrie (que não tem retrovisor interior).

Mantendo o desenho original do Aston Martin Valkyrie por fora, o trabalho de Adrian Newey (engenheiro de aerodinâmica da Red Bull) nota-se por exemplo nas aberturas à superfície entre o cockpit e as rodas da frente para ganhar pressão aerodinâmica frontal.

Entre vários pormenores destacados, as luzes frontais são 30 a 40 por cento mais suaves do que as de um Aston Martin comum. O emblema no nariz do carro é de alumínio com 70 micrómetros de espessura (um milímetro tem mil micrómetro) – 30 por cento mais fino do que um cabelo humano...

A luz de stop LED montada na extremidade da pequena barbatana de tubarão que percorre a coluna do Valkyrie é mais um exemplo do trabalho de minimizar o peso e a resistência ao ar do carro, com a Aston Martin a garantir que é a luz de stop traseira elevada mais pequena do mundo, com apenas 5,5 mm de largura e 9,5 mm de altura.

O resto, quando se fala de motor, já era conhecido. São 1.000 cv de potência para 1.000 kg de peso num carro de fibra de carbono com um motor V12 de 6.5 litros. Mais de 3 milhões de euros é quanto pagou cada comprador dos 150 (mais 25 exclusivos para pista) que já estão vendidos antes da primeira entrega, em 2019.

E mais do que isto, por enquanto, é o que se pode contemplar na galeria de fotos agora divulgadas clicando na imagem deste artigo.