O presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d Oliveira Martins, disse esta sexta-feira que 2014 é um ano decisivo que vai «obrigar à mobilização de todos», mas também é de «esperança».

«O ano 2014, como o senhor Presidente da República teve oportunidade de dizer, é um ano decisivo, porque vai obrigar a uma mobilização de todos, de modo a que terminemos da melhor maneira este programa excecional de resgate», afirmou Guilherme d Oliveira Martins, adiantando:

«E, por isso, a economia portuguesa vai ter de ser criadora, a economia portuguesa vai ter que ser solidária».

Em Fátima, onde foi orador nas Jornadas Nacionais da Pastoral do Turismo, o presidente do Tribunal de Contas salientou: «A responsabilidade social é absolutamente fundamental».

«Eu direi, portanto, que este ano é muito importante. É um ano de esperança e é um ano em que só obteremos resultados positivos se todos tivermos consciência de que, unindo-nos e sendo rigorosos e disciplinados, responderemos melhor aos desafios perante os quais nos encontramos», acrescentou Guilherme d¿Oliveira Martins.