O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, mostrou-se esta terça-feira um "firme defensor" de entendimentos "à mesa das negociações", criticando ideias utópicas para a economia e valorizando a responsabilidade social e política.

"A utopia faz muito mal à economia e a responsabilidade faz muito bem à sociedade", vincou o governante, que falava num hotel em Lisboa, na tomada de posse da direção da Confederação do Turismo Português (CTP) para o triénio 2015-2018.

Na ocasião, Portas sublinhou ser um "firme defensor de que é à mesa das negociações que se atingem" objetivos em prol da sociedade, dando como exemplo o erguer da Europa, que não foi feito "nem com greves, nem com manifestações".

"Mais fácil é fazer discursos puramente utópicos que não têm qualquer consequência", acrescentou, num discurso de cerca de 30 minutos.