O Banco do Japão anunciou hoje uma extensão do seu programa de flexibilização em grande escala para contrariar os efeitos negativos da saída do Reino Unido da União Europeia, conhecida por “Brexit”, sobre a economia japonesa.

No final da sua reunião mensal de dois dias, o banco central nipónico explicou, em comunicado, que vai aumentar o ritmo anual a que adquire fundos cotados desde os 3,3 mil milhões de ienes (28.699 milhões de euros) até aos seis mil milhões de ienes (52.461 milhões de euros).

Também que vai duplicar o volume do programa de empréstimos em dólares para empresas japonesas no exterior desde 12.000 milhões (10.816 milhões de euros) até 24.000 milhões de ienes (21.633 milhões de euros).

Contudo, a instituição determinou que não irá expandir o ritmo de compra de obrigações do Tesouro japonês, uma das principais medidas do programa de estímulos do banco central nipónico.

A Bloomberg refere que a maior surpresa, de economistas e analistas do mercado, foi o fato da instituição, liderada por Haruhiko Kuroda, ter ordenado uma avaliação à eficácia das políticas da autoridade monetária, cujos resultados poderão ser conhecidos já na próxima reunião agendada para 20 e 21 de Setembro.

Para os analistas é claro que Haruhiko Kuroda deu sinais de apoio ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que já anunciou  um pacote de estímulos orçamentais.