A fabricante automóvel alemã deve gastar cerca de 13,6 mil milhões de euros nos Estados Unidos para encerrar o processo que a colocam contra 500 mil proprietários de carros a diesel da marca que estiveram envolvido nas emissões de gases poluentes.

A notícia é avançada pela Reuters que cita fontes próximas do processo. O acordo, anunciado esta terça-feira, inclui cerca de 9,1 mil milhões de euros para que os proprietários possam comprar um novo carro, se assim entenderem, e mais 4,5 mil milhões em fundos para aumentar produção de veículos de emissão zero, disse a fonte.

O processo nos Estados Unidos é apenas uma das pontas solta deste escândalo que rebentou no ano passado e cujas consequências finais ainda estão por apurar. Já este mês, o Ministério Público alemão, acusou formalmente o ex-presidente do grupo alegando que a acusação se centra “em provas concretas suficientes” de que o responsável estava a par do erro antes do caso vir a público.

Foi exatamente nos Estado Unidos que o caso veio a público, depois da denúncias das autoridades do país, que afirmavam que a empresa manipulava software de veículos com motores a diesel para falsificar os valores das emissões poluentes. O escândalo resultou em diversos processos na justiça norte- americana, entre eles ações movidas por consumidores.

Em Portugal, há uma ação judicial contra a Volkswagen, na sequência do escândalo interposta por um português. Nelson Matos acusa o concessionário importador das marcas de não ter contribuído para encontrar uma solução que pudesse “minimizar o facto de ter sido enganado pela marca”, revelou em março o Económico.