Mais de metade das crianças no mundo entre os 8 e os 12 anos estão sujeitas a ameaças quando utilizam plataformas digitais, indica um estudo publicado nesta quarta-feira, que analisou os hábitos de 34 mil crianças em 29 países.

O estudo, elaborado pelo Instituto DQ em parceria com o Fórum Económico Mundial, afirma que as crianças passam, em média, 32 horas semanais sozinhas em frente a monitores e dispositivos, mais tempo do que passam na escola.

Os resultados confirmam uma associação entre o tempo gasto em frente a um monitor e a exposição a crimes cibernéticos, ao vício em videojogos e a comportamentos sexuais online.

De acordo com o documento, 56% das crianças entre 8 e 12 anos estão expostas a pelo menos uma ameaça ligada à Internet ao usar plataformas digitais. Os dados indicam ainda que 47% das crianças da amostra foram vítimas de ciberbullying em 2017.

Nas economias emergentes, as ameaças cibernéticas são mais difundidas e os riscos são 33% maiores, em grande parte devido à rápida adoção de tecnologia móvel e plataformas digitais sem que as crianças tenham recebido formação adequada.

Os autores do relatório sublinharam a necessidade de "ações concretas dos governos, da indústria e da sociedade civil para ajudar os pais a combater as ameaças enfrentadas pelos mais jovens na Internet".

Os jovens são uma parte importante da sociedade informada, eles serão os eleitores do futuro e os nossos futuros líderes, por isso deve ser uma prioridade garantir que estão bem equipados para enfrentar os desafios de uma vida híper conectada", afirmou a diretora-geral do Fórum Económico Mundial, Cheryl Martin.

Para o fundador e diretor executivo do Instituto DQ, Yuhyun Park, "desde uma idade precoce, as crianças usam redes sociais excessivamente através dos telemóveis".

Precisamos trabalhar em conjunto para ajudar nossos filhos a superar riscos cibernéticos e tornar-se cidadãos digitais bem-sucedidos e responsáveis, que maximizem o seu potencial e minimizem essas ameaças", disse Park.