Amal Clooney, mulher do ator George Clooney, foi o centro das atenções, esta quarta-feira, no Tribunal Internacional dos Direitos Humanos, em Estrasburgo. A advogada britânica de origem libanesa, de 36 anos, representa a Arménia no caso que envolve a negação de genocídio por um político turco, em 1915.
 
Cem anos depois, a Turquia rejeita o termo genocídio organizado e nega que as mortes tenham sido intencionais.


 
Amal Clooney acabou por atrair, esta quarta-feira, as atenções dos mais de 60 jornalistas acreditados para fazer a cobertura da sessão. Amal sempre se destacou, como advogada, na defesa dos direitos humanos, embora o tenha feito de forma anónima até o seu romance com o ator de Hollywood se tornar público.
 
A última vez que Amal Clooney tinha aparecido em público foi há duas semanas, quando acompanhou o marido na cerimónia dos Globos de Ouro, em Los Angeles, Estados Unidos.