O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, anunciou esta quinta-feira que começou o ataque contra o último bastião do grupo extremista Estado Islâmico no país, ao longo da fronteira com a Síria em guerra.

Em 2014, o Estado Islâmico tomou o controlo de quase um terço do Iraque, ao conquistar vastas áreas a norte e a oeste da capital iraquiana, Bagdad.

As legiões heróicas dirigem-se para o último bastião do terrorismo no Iraque para libertar Al-Qaim, Rawa e localidades próximas no oeste de Al-Anbar", anunciou Al-Abadi.

 

Os membros do Estado Islâmico só podem morrer ou render-se", advertiu.

Desde então, as forças iraquianas, apoiadas por uma coligação militar internacional liderada pelos Estados Unidos, têm conseguido gradualmente reconquistar grande parte dos territórios.

O território do "califado", proclamado em junho de 2014 em partes do Iraque e da Síria, passou de cerca de 90.000 quilómetros quadrados em janeiro de 2015 para 36.200 quilómetros quadrados em junho de 2017, segundo um estudo, divulgado em julho, do centro de análise IHS Markit, publicado em Londres.

Entretanto, as tropas governamentais e paramilitares expulsaram o grupo extremista de mais de 90% do território iraquiano, reduzindo a presença do EI às localidades de Al-Qaim e de Rawa e respetivos arredores no deserto, na província ocidental de Al-Anbar.