Berlim, amanhã, domingo, há que estar atento ao dorsal 24467. É o número com que a norte-americana de origem síria Rahaf Khatib vai correr a 43.ª maratona da capital alemã. Não é de esperar que vença a prova, mas poderá centrar em si todas as atenções. Porque insiste em correr com o hijab, o véu islâmico que lhe cobre o pescoço e o cabelo.

Rahaf tem 32 anos. Muçulmana, nasceu na capital síria, Damasco e vive agora com o marido e três filhos em Farmington Hills, no estado norte-americano do Michigan. Este domingo, em Berlim, fará a sua sexta maratona, depois de ter encetado uma outra corrida de fundo para chegar à capa da revista desportiva Women's Running. Que foi, afinal, uma prova bem mais curta.

Capa por via de um mail

Através de um mail, Rahaf enviou um desafio à revista. Calhou que a editora Jessie Sebor lhe desse atenção.

Ela enviou-nos um mail, dizendo haver uma falta de mulheres muçulmanas com hijab nas revistas e desafiou-nos a alterar isso", contou a jornalista ao site BuzzFeed.

A maratonista já confessou à mesma publicação que, nem "num milhão de anos", esperava ter resposta. Muito menos, ser convidada pela revista para posar. Mas aconteceu. Foi contatada para uma sessão fotográfica para ser capa da revista.

Adoramos tudo o que ela representa. Esforçando-se, mudando estereotipos e motivando os outros pela iniciativa", justificou Jessie Sebor.

Motivos e reações

Para a maratonista, além da felicidade, as razões que invocou junto da revista são as mesmas que continua a defender.

Sinto que tenho de representar os que não são representados", afirmou ao BuzzFeed, falando de Berlim, onde se prepara para mais uma prova.

Devemos todos ser aceites independentemente da nossa identidade, raça, sexualidade e religião. Estamos todos a ultrapassar a mesma linha de meta, literal e figurativamente", afirmou Rahaf Khatib.

Até ver, Rahaf continua contente.

Tenho tido uma grande reação e ainda não houve comentários negativos", afirmou ao BuzzFeed. Apesar de saber que há "um clima negativo acerca dos muçulmanos", acha que a capa em que deu a cara pode ajudar a alterar a situação.

E domingo, como se prevê, Rahaf vai correr em Berlim. Com hijab e com a sua convicção.

Estamos aqui, estamos presentes e estamos nestas provas como todos os atletas estão", frisou Rahaf Khatib.