Os funcionários do Novo Banco sentem-se ofendidos e ameaçados pelos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo. 

Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores reage à manifestação desta quinta-feira na sede do banco em Lisboa, onde alguns trabalhadores foram agredidos quando tentavam entrar nas instalações:
 

Intoleráveis, indignas, injustas e condenáveis estas atitudes. Repudiamos, vivamente, o comportamento destas pessoas. Criticamos a passividade das forças policiais.


Para além da crítica à polícia, o documento aponta Carlos Costa como um dos responsáveis por eventuais agressões futuras:
 

Responsabilizamos as autoridades deste País, bem como o Governador do Banco de Portugal, pelas eventuais consequências graves que os trabalhadores do Novo Banco venham a sofrer.


A Comissão de Trabalhadores do Novo Banco saúda ainda a intenção de Stock da Cunha de processar os agressores.