Um tribunal especial na Índia sentenciou, na sexta-feira, 47 polícias a prisão perpétua pela morte de um grupo de peregrinos sikhs em 1991, informou hoje um promotor.

Os agentes, que inicialmente eram 57 (dez morreram entrentato), foram condenados por matarem a tiro os peregrinos, com o objetivo de tentarem obter promoções no estado de Uttar Pradesh, informou a Press Trust of India (PTI), pois na altura combatiam na região.

"Os agentes pararam um autocarro que transportava os peregrinos e as famílias, antes de obrigarem 11 deles a marchar até uma zona de selva no norte do estado e levarem a cabo a matança”, disse o promotor SC Jaiswal.