Os ministros grego e macedónio dos Negócios Estrangeiros assinaram hoje um acordo histórico para alterar o nome da ex-república jugoslava da Macedónia para República da Macedónia do Norte, abrindo-lhe o caminho para pertencer à UE e à ONU.

Além do ministro grego, Nikos Kotzias, e macedónio, Nikola Dimitrov, estiveram na cerimónia, realizada nas margens do lago da fronteira de Prespes, os primeiros-ministros Alexis Zipras e Zoran Zaev, o negociador da ONU Matthew Nimetz e a diplomata da União Europeia (UE) Federica Mohgherini.

"Cumprimos hoje o nosso dever patriótico (...), um passo histórico para fechar as feridas do passado, para abrir o caminho para a cooperação dos nossos países, dos Balcãs e de toda a Europa. "Este passo não deve ser suspenso (...), porque damos um exemplo para construir o futuro contra o ódio", disse Alexis Tsipras.

Este acordo, que deve entrar em vigor dentro de seis meses, coloca um fim numa querela político-semântica de 27 anos.

Atenas era contra a utilização do nome Macedónia por outro país, porque poderia levar a que este país vizinho reivindicasse o território de uma região do norte da Grécia com o mesmo nome.

Pelo seu lado, a ex-república jugoslava tem aspirações de entrar na União Europeia e na NATO, o que estava a ser dificultado pelo veto da Grécia, membro das duas organizações.

Com este acordo, a Grécia deve levantar o seu veto grego à entrada da Macedónia na União Europeia e na NATO.

Do lado macedónio, o acordo deve ainda ser ratificado pelo parlamento, aprovado por referendo e publicado numa emenda constitucional.

Será de seguida submetido à ratificação do parlamento grego.

Se o acordo tropeçar do lado macedónio, a integração euro-atlântica de Skopje será interrompida, advertiu Tsipras.