Armindo Castro, o jovem estudante de criminologia que estava preso há dois anos pelo homicídio da tia, foi libertado esta sexta-feira, um mês e meio depois de outro homem se ter entregue na GNR de Famalicão, assumindo o crime.
 
«É uma alegria muito grande. Ainda estou a interiorizar esta situação toda», disse o jovem ao jornalista da TVI, à porta do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira.
 
«Quero ir ter com a minha família, estar com a minha avó e passar o Natal com eles», disse ainda Armindo Castro.
 
O jovem disse ainda que a pessoa que mais anseia ver é a avó, com quem não está «há dois anos e meio», e aproveitou para desejar um bom Natal a «todos os portugueses» que o apoiaram. Escusou-se contudo a comentar questões relacionadas com o processo.