Um jovem de 13 anos e o seu professor, um arqueólogo amador, descobriram, na Alemanha, um tesouro que se pode vir a revelar significativo do ponto de vista arqueológico. O conjunto de moedas e objetos em prata descobertos por Luca Malaschnitschenko e pelo professor René Schön terá pertencido ao rei Haroldo I da Dinamarca, que se pensa ter morrido em 986 d.c. e que terá sido o responsável por levar o cristianismo para a Dinamarca.

Luca e René andavam com um detetor de metal à procura de “tesouros”, em janeiro, quando encontraram aquilo que inicialmente pensavam ser um pedaço de alumínio. Após uma análise mais cuidada do objeto, descobriram que era um pedaço de prata, avançam os meios de comunicação alemães.

Foi nessa altura que arqueólogos profissionais entraram ao serviço e começaram a inspecionar uma área de quase meio quilómetro quadrado. Têm vindo a descobrir um autêntico tesouro que se pensa ter pertencido a Harald Gormsson, mais conhecido por “Harald Bluetooth”, o Rei Haroldo I da Dinamarca, que reinou entre 958 e 986 d.c. e que terá sido o responsável por levar o cristianismo para a Dinamarca.

Além de cerca de 600 moedas, os arqueólogos descobriram braceletes, colares, alfinetes e anéis.

Esta é a maior descoberta solitária de moedas de Haroldo Ina região do Mar Báltico”, sublinha Michael Schirren, em declarações à agência de notícias DPA.

A descoberta sugere que o tesouro pode ter sido enterrado ali nos finais dos aos 980, o período em que Haroldo I viajou para Pomerania, onde acabou por morrer. Dizem os arqueólogos que a descoberta vem corroborar as teorias dos historiadores.

Haroldo I terá sido responsável pela reunificação da Dinamarca e pela mudança religiosa naquele país nórdico. Mas terá sido forçado a fugir para a Pomerania, depois de uma rebelião liderada pelo próprio filho Sven Gabelbart.