Lula da Silva deverá assumir a pasta da Casa Civil no Governo de Dilma Rousseff. A informação ainda não foi avançada oficialmente, mas os meios de comunicação social do país são unânimes na notícia. Dilma Roussef e Lula da Silva, acompanhados de outros ministros do Governo estiveram reunidos esta quarta-feira de manhã, no Palácio da Alvorada, para acertar as condições das alterações ministeriais.

A entrada de Lula no Governo vai obrigar Dilma a fazer uma mini-remodelação governamental. Lula assume a Casa Civil e o atual detentor da pasta, Jaques Wagner, deve passar à chefia de gabinete da Presidente.

Mas não deve ser essa a única alteração. O jornal Folha de São Paulo adianta que Lula terá imposto como condição para aceitar que haja a entrada de uma nova equipa no Governo. O antigo presidente quer ver Celso Amorim no ministério das Relações Exteriores e substituir Aloizio Mercadante na Educação. Ainda de acordo com o mesmo jornal, também e fala no nome de Ciro Gomes para integrar a nova equipa governativa.

O jornal O Globo adianta que Edinho Silva também deverá deixar a pasta da Comunicação Social e assumir outro ministério.

Veja também: 

Aos comandos da Casa Civil, Lula vai liderar o Conselho de Desenvolvimento Económico e Social, o chamado Conselhão. O Folha de São Paulo acrescenta que Lula tem defendido, nas negociações, mudanças governamentais que apontem para alterações significativas, nomeadamente ao nível da política económica. Uma exigência que está a assustar mercados e investidores.

De acordo com o portal G1, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, tem demonstrado incómodo com as notícias de que Lula gostaria ver algumas alterações, nas áreas económica e monetária.

A entrada de Lula da Silva para o Governo de Dilma Rousseff serve os propósitos de ambos. Lula, que começou agora a ser investigado no âmbito da operação Lava Jato, deixa de estar sob a alçada do juiz que comanda este processo e de poder ser detido preventivamente. No Governo, adquire automaticamente uma espécie de imunidade que faz com que só possa ser julgado pelos juízes do Supremo Tribunal Federal. Já Dilma, à beira do impeachment, resgata, com a entrada de Lula, o apoio do PMBD e garante a permanência no Planalto.