José Sócrates recebeu três visitas de socialistas, este fim de semana, no Estabelecimento Prisional de Évora. O líder da federação de Lisboa do PS, Marcos Perestrello, e o antigo secretário de Estado Alexandre Rosa foram ver o ex-primeiro-ministro mas escusaram-se, no final, a prestar declarações aos jornalistas.

O presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS e vice-presidente da bancada parlamentar socialista, e o antigo secretário de Estado da Administração Pública no Governo de António Guterres, estiveram com o ex-primeiro-ministro durante quase uma hora em meia, segundo a Lusa.

«Nós não vamos dizer nada», limitou-se a dizer Marcos Perestrello aos jornalistas, à saída do Estabelecimento Prisional de Évora, onde José Sócrates está em prisão preventiva há quase três semanas.

Já no sábado, foi a vez de António Campos, um dos fundadores do PS, visitar o «amigo» José Sócrates, considerando que a Justiça «lançou uma bomba atómica sobre a Democracia» ao prender o ex-chefe de Governo. 

Recorde-se que foi a 21 de novembro que o antigo líder do PS e ex-primeiro-ministro foi detido e, após interrogatório judicial, ficou em prisão preventiva, por o juiz considerar existir perigo de fuga e de perturbação da recolha e da conservação da prova.

José Sócrates está indiciado pelos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada num processo que envolve outros arguidos, incluindo o empresário e seu amigo Carlos Santos Silva, também em prisão preventiva.