Os jihadistas do Estado Islâmico continuam a matar. Desta vez, decapitou quatro homens sírios, acusando-os de blasfémia. Os homens foram decapitados na zona rural a leste da cidade de Homs, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Um episódio semelhante ao que aconteceu, na última terça-feira, quando foi decapitado um homem em plena praça da cidade. 

Moradores e ativistas relatam, segundo a Reuters, que o Estado Islâmico tem, para além disso, apedrejado até a morte muitas pessoas em áreas que estão sob o seu controlo, tanto na Síria, como no Iraque. E os motivos são diversos, sempre relacionados com a alegada violação da leitura que os jihadistas fazem da lei islâmica. Adultério, homossexualidade, roubar e blasfémia dão direito a morrer.

A mesma agências dá conta que as forças jihadistas criaram patrulhas para policiar as populações, reforçando a sua tentativa de estabelecer na região um califado.

O Observatório também informou este sábado que Estado Islâmico apedrejou um homem e uma mulher até à morte por adultério em Manbij, cidade no norte da Síria.