A Grécia continua a dominar as atenções e parece já haver uma luz ao fundo do túnel.

No domingo à noite, uma fonte do Governo grego disse que um acordo sobre o terceiro resgate ao país deverá ficar fechado esta segunda-feira à noite ou terça-feira de manhã.

A Comissão Europeia confirmou hoje que houve “progressos” nas negociações entre as instituições e a Grécia para chegarem a um acordo sobre um terceiro resgate ao país e afirmou que espera mais avanços nas próximas horas.

“As instituições estão a trabalhar lado a lado com as autoridades helénicas. Certamente que se fizeram progressos e esperamos ainda mais avanços ao longo do dia e mais para diante. As negociações em curso continuam a resolver os problemas pendentes”, disse a porta-voz da Comissão Europeia Annika Breidthardt.


Em relação à possibilidade de se alcançar um acordo antes de 20 de agosto, data em que Atenas deverá pagar 3.400 milhões de euros ao Banco Central Europeu (BCE), Breidthardt recordou que a Comissão mantém o desejo de que se chegue a um consenso antes da data limite no final deste mês.

“O que o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse na semana passada numa entrevista mantém-se válido. O acordo pode ser alcançado no mês de agosto e de preferência antes de 20 de agosto e não há nada de novo da nossa parte neste aspeto”, esclareceu.


Annika Breidthardt realçou ainda que a Comissão, juntamente com as equipas do BCE, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Mecanismo de Estabilidade Europeu, estão “a trabalhar de noite e de dia e estiveram a fazê-lo este fim de semana para finalizar o texto do memorando de entendimento”.

Além disso, o ‘quarteto’ e o Governo helénico liderado por Alexis Tsípras estão a negociar “uma lista adicional de ações prioritárias que as autoridades gregas podem aprovar em breve”, adiantou a mesma fonte.

Fontes comunitárias referiram também que, em qualquer caso, a decisão final de “dar luz verde ou não” ao terceiro resgate está principalmente nas mãos dos membros da zona euro.

Além disso referiram que se desconhece se o Eurogrupo se reunirá no final da semana ou se será feita uma teleconferência para abordar o assunto.

As negociações entre a Grécia e os credores têm como objetivo finalizar o novo empréstimo ao país, num valor que pode chegar aos 86 mil milhões de euros, depois de um entendimento nesse sentido ter sido alcançado a 13 de julho, após duras conversações entre Atenas e os dirigentes dos países da zona euro. 

A Grécia, que enfrenta problemas de liquidez, tem de pagar a 20 de agosto mais de 3 mil milhões de euros ao BCE e 1,5 mil milhões de euros ao FMI em setembro.


Alemanha quer acordo "exaustivo" em vez de rápido


Já a Alemanha considera mais importante que o acordo seja "exaustivo" em vez de ser concluído rapidamente.

"Uma conclusão rápida das negociações seria desejável, mas não devemos esquecer que se trata de um programa de três anos, um programa com uma importante lista de reformas e outras medidas, um programa que deve ser uma base sólida e de longo prazo para se continuar a trabalhar em conjunto", declarou o porta-voz da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert, em declarações aos jornalistas.


"Em consequência, (...) ser exaustivo é mais importante do que a rapidez", acrescentou, num altura em que a Grécia e os credores parecem estar próximo de um acordo.

Jürg Weissgerber, porta-voz do ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, também repetiu que "a qualidade vem antes da rapidez".

No entanto, "estamos preparados para uma análise rápida do acordo se isso for necessário", indicou, acrescentando que até agora ainda não foi apresentado qualquer documento.

A Alemanha quer que o acordo inclua "um programa orçamental e de financiamento ambicioso, uma estratégia de privatizações credível e uma reforma das pensões durável".

Depois de terem aprovado em julho o compromisso alcançado na cimeira da zona euro, os deputados alemães serão chamados a votar novamente o acordo que sair das conversações entre a Grécia e a Comissão Europeia, BCE, FMI e o Mecanismo Europeu de Estabilidade.