O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, classificou, este domingo, o ataque numa discoteca gay em Orlando, na Florida, como “um ato de terror e de ódio". Na madrugada deste domingo, um homem entrou a disparar indiscriminadamente na discoteca. Matou 50 pessoas e feriu 53, algumas das quais em estado grave.

Barack Obama disse, numa comunicação ao país, que falou com o autarca de Orlando, a quem ofereceu ajuda e prestou condolências.

É um dia triste para a comunidade LGBT", afirmou Obama.

 

Nenhum ato de terror pode mudar o que somos", acrescentou o presidente.

"Diante do ódio e da violência, vamos amar-nos uns aos outros. Não vamos nos render ao medo e virarmo-nos uns contra os outros", disse.

O atirador mirou uma discoteca onde as pessoas vão com os amigos para dançar e cantar – para viver. (…) O lugar onde foram atacados é mais que uma discoteca. É um espaço de solidariedade e empoderamento, onde as pessoas vão juntas para falar o que pensam e defender seus direitos civis."

As palavras de Obama foram ditas poucos minutos antes das notícias de que o Estado Islâmico tinha reivindicado o ataque. Omar Mateen, o atirador, era acompanhado pelo FBI por causa das suas ligações ao extremismo islâmico.