A ministra das Finanças portuguesa disse que não ia prestar declarações aos jornalistas, que estava no Eurogrupo para «ouvir». E não haverá lugar mais privilegiado: a Maria Luís Albuquerque calhou o lugar em frente ao homólogo grego.

Aliás, analisando ao detalhe, a governante portuguesa está em frente à Irlanda e à Grécia, outra das partes muito interessadas no desfecho do caso grego. Isso mesmo mostra a foto partilhada por um jornalista da Bloomberg no Twitter.

 


Antes da reunião, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, afirmou que o objetivo deste encontro é ouvir as ideias do novo ministro grego, Yanis Varoufakis, e «iniciar discussões».

«Vamos dar as boas vindas ao ministro grego hoje ao Eurogrupo, ouvir os planos do novo Governo grego, e ver em que bases poderemos prosseguir o nosso apoio à Grécia. Como sabem, formalmente ainda temos um programa (até final do mês), pelo que a primeira questão é como prosseguir esse programa. Vamos iniciar as discussões (…) Não espero um desfecho hoje, tenho sido muito claro sobre isso, este é apenas o início das nossas conversações», declarou.

Aguarda-se uma declaração do Eurogrupo no final dos trabalhos.