A morte de Abu Omar Sarakeb foi já reconhecida pelo grupo Al-Nusra Front, que mudou o seu nome para Jabhat Fateh al-Sham, segundo os próprios, após cortarem as suas ligações à rede islâmica radical Al Qaeda.

De acordo com o canal britânico BBC, a morte de Sarakeb foi anunciada pelo grupo na sua conta no Twitter. Há também indicações de que outros comandantes do bando sírio poderão ter morrido no ataque aéreo.

De acordo com o jornal britânico Express, o raide terá também eliminado Abu Muslem al-Shami, outro chefe do bando, que estava também na localidade de Kafr Naha, a oeste da cidade de Alepo, próxima da fronteira síria coma Turquia.

A página online do Express atribui o raide letal a meios aéreos norte-americanos, embora até ao momento não haja confirmação oficial de quem levou a cabo o ataque, sabendo-se que a zona de Alepo tem sido palco de intensas batalhas e fortemente bombardeada também por forças turcas e russas, por exemplo.

A morte de Sarakeb surge, contudo, como confirmada. Em particular na conta de Twitter do grupo sírio independente de comunicação Eye on Homeland, que publica mesmo uma foto, aparentemente, do cadáver.

Outros líderes atingidos

O grupo de comunicação Eye on Homeland, escrito em árabe, dá contudo a entender que outro dos líderes do grupo Jabhat Fateh al-Sham, Abu Muslem al-Shami de seu nome, não terá sucumbido no raide aéreo. Ainda assim, terá sido atingido pelo ataque.

O grupo Jabhat Fateh al-Sham assumiu esta designação em julho, anunciando então ter cortado as suas ligações com a Al Qaeda. Desde 2012, que combatem o regime sírio, sendo um dos mais poderosos e temíveis na província de Idlib, onde se situa a cidade de Alepo.

Para os Estados Unidos, o Jabhat Fateh al-Sham está na lista dos grupos terroristas e é também um alvo a abater para o governo sírio e para a Rússia, que mantém o seu apoio ao regime do presidente Bashar al-Assad.