Os controladores aéreos espanhóis iniciaram esta segunda-feira uma greve parcial, de quatro dias. A paralisação deve-se as sanções impostas a 61 controladores por causa da greve de 2010, que levou ao encerramento do espaço aéreo do país.
 
Na primeira jornada de protesto, os trabalhadores param de trabalhar entre as 10:00 (11:00 em Lisboa) e as 12:00 e entre as 18:00 às 20:00. O cenário repete-se na quarta-feira, na sexta-feira e no domingo.
 
O governo exige que pelo menos 70 por cento dos trabalhadores escalados compareçam ao serviço, uma percentagem de serviços mínimos contestada pela União Sindical de Controladores Aéreos ( USCA ), que convocou a greve.
 
A USCA já disse que irá recorrer desta decisão, por considerar que viola os direitos constitucionais dos trabalhadores.
 
A união sindical convocou o protesto por causa das sanções que foram impostas a 61 controladores do centro de controlo de Barcelona, depois de terem participado numa greve, em 2010, que levou ao encerramento do espaço aéreo, em Espanha. Em causa está ainda a não readmissão de um trabalhador que também participou nesse protesto.  
 
A USCA defende que as sanções são injustificadas e que vários tribunais concluíram “de forma contundente que não existiu desobediência nem abandono por parte dos controladores”.
 
Por causa desta greve está a ser recomendado a quem tenha viajem marcada contactar as companhias aéreas para obter informações sobre a situação do voo.