No passado domingo, uma câmara de videovigilância captou o sequestro de uma mulher de 22 anos que se encontrava a poucos quarteirões de casa, numa rua de Germantown, em Filadélfia, nos Estados Unidos.

Na esperança de ajudar a encontrar a vítima, a polícia divulgou o vídeo, em que se vê o suspeito a estacionar o automóvel, sair da viatura, e a arrastar a mulher, identificada como Carlesha Freeland-Gaither, para dentro do carro, que as autoridades acreditam ser um Ford Taurus com placa do estado da Pensilvânia.


 
Segundo uma testemunha, a jovem gritava por ajuda enquanto era forçada a entrar na viatura. A polícia adiantou que tudo indica que a vítima, em desespero, partiu um dos vidros laterais após entrar no carro, mas quando chegaram ao local as autoridades apenas encontraram os seus óculos e telemóvel no passeio.

Na segunda-feira, o cartão bancário de Carlesha foi utilizado num multibanco em Aberdeen, Maryland, a cerca de 120 quilómetros do local do rapto, e uma outra câmara voltou a registar imagens do sequestrador.


 
A polícia de Filadélfia, encarregue da investigação do caso, em conjunto com o FBI, descreveu o suspeito como um homem de estatura média, com uma idade entre os 25 e 30 anos, com um casaco preto, e chapéu e calças também negras.

A família da vítima já veio apelar à humanidade do criminoso, pedindo que a liberte. «Por favor, devolva-a. Nós só queremos que a Carlesha volte em segurança», apelou a avó da vítima, Ana Mulero. «Nós somos uma família. Ela tem uma família aqui. Nós precisamos dela», acrescentou.

Mulero contou à CNN que a neta viveu durante quatro anos em Maryland, antes de regressar a Filadélfia para viver com outros parentes, e seguir a sua carreira de enfermeira.

Depois de quatro dias de buscas, as autoridades cumpriram a promessa que um dos agentes tinha deixado à família, «trazer Carlesha de volta a casa».

A polícia encontrou a jovem em Jessup, Maryland, com ferimentos leves, e deteve o homem, desconhecido da vítima, identificado como Delven Barnes, de 37 anos, que irá agora responder pelos seus crimes perante a justiça de Filadélfia.