Mohamed Fahmy, um dos dois jornalistas da al-Jazeera detidos no Egito, pode estar a horas de ser libertado. 

Fahmy goza de dupla nacionalidade, egípcia e canadiana, pelo que as autoridades canadianas, envolvidas no processo, estão crentes da sua libertação brevemente, seguindo o exemplo do colega Peter Greste.

Para isso, Mohamed Fahmy vai abdicar da nacionalidade egípcia, segundo confirmação da família à BBC. A situação do outro jornalista, Baher Mohamed, é, no entanto, inconclusiva. 

O jornalista australiano, Peter Greste, libertado no domingo, disse ter ficado «angustiado» por deixar os colegas naquela prisão do Cairo. 

Os três repórteres da cadeia de televisão al-Jazeera foram detidos em 2013, acusados de colaborarem com a Irmandade Muçulmana, depois da queda do presidente Morsi. 

De nada serviu aos três negarem as acusações. Foram condenados e os apelos indeferidos, mas, um decreto do atual presidente Abdel Fatah al-Sisi, em novembro, autorizou a deportação de cidadãos estrangeiros.