O memorando de entendimento assinado entre o grupo Atlantic Gateway e o Estado vai ter de ser alterado devido à deliberação da Autoridade Nacional da Aviação Civil, revela o Diário Económico.

A posição do regulador deu novos argumentos ao Governo para pressionar uma solução que seja mais favorável ao Estado. Em causa as dúvidas do regulador sobre quem manda efetivamente na TAP, o que significa que o problema não fica solucionado com a entrega de 50% do capital ao Estado, tal como previsto no memorando.

Entretanto a ANAC ainda está a avaliar se autoriza a TAP a avançar com um empréstimo obrigacionista de 120 milhões de euros que ditará a entrada da brasileira Azul, e indiretamente dos chineses da HNA no capital da transportadora aérea portuguesa.