O Festival Músicas do Mundo, em Sines, acolheu 16 mil espectadores em três dias de concertos, anunciou a organização, esta segunda-feira referindo que é «o primeiro fim de semana com mais público de sempre».

O festival de Sines segue um modelo de dois fins de semana alargados de concertos e, nos dias 18, 19 e 20 de julho, registou 16 mil entradas, disse à agência Lusa a organização.

Na verdade, o festival, que assinala este ano 15 anos, só parou no domingo. A música prossegue já esta segunda-feira, com concertos do cabo-verdiano Jon Luz e da norueguesa Mari Kvien Brunvoll, às 22h00 e 23h00, respetivamente, no Centro de Artes de Sines, local que acolherá Sílvia Pérez Cruz (Catalunha¿Espanha, 22h00) e Aline Frazão (Angola/Portugal, 23h00), na terça-feira.

Mas nem só de música vive o festival de Sines, que propõe também uma série de atividades paralelas.

Esta tarde, foi homenageada a figura de Amílcar Cabral, 40 anos depois do assassinato do líder histórico dos movimentos pela independência da Guiné-Bissau e de Cabo Verde.

Às 14h30, no Centro de Artes de Sines, foi projetado o documentário «As Duas Faces da Guerra», de Flora Gomes e Diana Andringa. Esta última participou no debate realizado em seguida, juntamente com Chullage, da Plataforma Gueto, e os historiadores José Neves e Marcos Cardão.

Chullage, que é também músico rapper, vai dedicar a Amílcar Cabral uma sessão de spoken word (declamação), agendada para a meia-noite, no Largo Poeta Bocage.

Os concertos regressam ao Castelo de Sines na quarta-feira, com Orquestra Locomotiva (Portugal, 18h30), Tcheka (Cabo Verde, 21h45), Hassan El Gadiri & Trance Mission (Marrocos/Bélgica/Portugal, 23h15) e Nathalie Natiembé (Ilha Reunião-França, 00h45).

No segundo fim de semana alargado, o Festival Músicas do Mundo vai estender-se também à Avenida Marginal, na quarta-feira com dois concertos de bandas portuguesas: MU (20h00) e O Carro de Fogo de Sei Miguel (02h45).