A Apasolar diz não ter capacidade para comprar a Qimonda, mas o empresário português que representa a parceria luso-alemã interessada no negócio, garante que ainda é possível.

O empresário Paulo Tomás, que se assume como «representante da parceria luso-alemã» interessada na aquisição da Qimonda de Vila do Conde, emitiu um comunicado em que defende que «o projecto tem credibilidade».

Apasolar sem capacidade para comprar Qimonda

Empresário português confirma interesse

Em mensagem enviada à agência Lusa, João Paulo Tomás adianta ter existido hoje um contacto com o gabinete do ministro da Economia, Manuel Pinho, «para uma entrevista na próxima semana» em dia que «ainda não está definido».

Nessa reunião «será apresentada a nossa solução», assegura o empresário de Oliveira do Hospital, para quem a Apasolar, «reúne todas as condições de tecnologia para não só instalar mas sim para fabrico».

«O financiamento será um dos factores importantes», adianta o empresário português, admitindo que o consórcio está «neste momento à procura de financiamento para viabilizar o projecto, que poderá passar por vários cenários», entre os quais aponta apoios do Estado português e da União Europeia.