Mário Soares continua a ter uma forma de pensar muito própria e não a esconde. Considera que o Governo não está a defender o estado social e até admite que seria benéfico para o país juntar-se a Espanha numa luta conjunta na Europa para fazer frente às medidas impostas pela Alemanha e França.

Em entrevista à «Rádio Renascença», o ex-Presidente da República disse, quando confrontado com a hipótese de Portugal e Espanha fazerem Conselhos de Ministros conjuntos para consertarem estratégias, não deixou dúvidas: «Sim, sim, gostava que essa ideia avançasse». Considerando que as línguas dos dois países são faladas por «um décimo da humanidade», devia haver uma maior união de esforços.

Soares diz, entretanto, discordar das medidas de austeridade, principalmente pelo «ataque ao Estado social»: «Essas medidas de ataque ao estado social, não vão resolver o problema e vão conduzir a uma outra crise». Na sua opinião, devia haver uma «mudança de paradigma, como está a fazer Obama na América», pois corre-se o riso de «a Europa entrar em decadência».

Em relação à corridas às Presidenciais, foi elucidativo: «Disse ao Sócrates que não apoiarei o Manuel Alegre, porque acho que não tem condições para isso. Não é uma questão de ressentimento. Acho que não tem dimensão para ser Presidente da República. Não sei se apoio outro, pois é uma coisa que vou decidir mais tarde. Neste momento, preocupo-me com o estado do país».