«Por isso fazemos estas interrogações. Conversar, podemos conversar, mas respondam, porque estaremos de acordo que o pior seria este PCP, com uma só cara, uma só palavra, a troco deste ou daquele lugar num Governo, abdicar de saber: um Governo para quê, um Governo para quem? Para governar para o povo ou para o capital? São perguntas fundamentais, primeiras e principais que temos de fazer».