O  secretário-geral do PS defendeu hoje, a propósito do código ético proposto aos deputados socialistas, que estar na vida política requer um comportamento ético "exemplar" e recusou-se a comentar a prisão domiciliária do ex-ministro Armando Vara.

António Costa falava aos jornalistas no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, depois de questionado sobre os motivos de estar em preparação um código ético, com nove pontos, que terá de ser subscrito por todos os candidatos a deputados deste partido.

"Os cidadãos exigem garantias acrescidas do ponto de vista do comportamento ético. Quem quer estar na vida política tem de ter um comportamento exemplar e deve assumir esse compromisso", salientou o secretário-geral do PS.


Depois, António Costa foi questionado sobre o facto de, no âmbito da "Operação Marquês", ter sido aplicada a prisão domiciliária ao ex-ministro socialista Armando Vara.

"Não sei se tenho sido suficientemente claro, ao longo dos últimos meses, ao responder a uma pergunta que frequentes vezes me tem sido feita, mas posso repetir a resposta: O PS não comenta qualquer decisão judicial e confiamos no funcionamento da justiça em todas as suas dimensões, desde a investigação à presunção de inocência", declarou o líder dos socialistas.