Vindo da boca de um prémio Nobel da Medicina, mesmo depois de se assumir um “porco chauvinista”, não há como apagar as palavras que feriram não só uma comunidade de mulheres mas todo um género. 

“As mulheres cientistas distraem os colegas homens, apaixonam-se e choram quando criticadas” foi a afirmação de Tim Hunt perante uma plateia incrédula de… cientistas mulheres, numa conferência na Coreia do Sul, na terça-feira.

Para o bioquímico britânico, de 72 anos, que conquistou o Nobel em 2001 por ter descoberto as moléculas de proteína que controlam a divisão celular, as colegas deveriam trabalhar à parte dos homens e fez questão de explicar porquê.

“Deixem-me contar-vos os meus problemas com as mulheres. Três coisas acontecem quando elas estão no laboratório: apaixonas-te por elas, elas apaixonam-se por ti e choram quando as criticas, afirmou numa espécie de brinde durante o encontro.

“De repente, disse que era um porco chauvinista”, contou ao Independent, Connie St. Louis, um professor de jornalismo da London’s City University, que estava na conferência.

“As mulheres estavam chocadas, verdadeiramente chocadas. Algumas riram nervosamente, outras ficaram apenas sentadas com as mãos na cabeça. Foi horrível”, descreveu.

As afirmações sexistas de Tim Hunt estão a repercutir-se negativamente nas redes sociais, onde a própria Royal Society, da qual Tim Hunt é membro, já se distanciou das declarações do cientista, afirmando que "a ciência precisa de mulheres". Há também quem brinque com a situação.   E até se encontram algumas das visadas de Tim Hunt, em tom irónico.