A crise energética de 2008 sensibilizou as pessoas para o uso do Segway, um equipamento eléctrico que «bateu um record de vendas», explicou à Lusa Ricardo Aleixo representante da marca.

O segway é um equipamento eléctrico não poluente e com baixo consumo energético, «que permite chegar muito rapidamente onde pretendemos sem qualquer custo de combustível e sem poluição», afirma o representante da marca.

Intuitivo

«É muito intuitivo», funciona através de cinco giroscópios e dois computadores de bordo que analisam cem vezes por segundo o nosso centro de gravidade, e ao mínimo movimento o segway responde de imediato.

Existem dois modelos base, o I2 é o modelo mais citadino e o X2 é todo o terreno, tem um pneu de tracção adicional para o uso em locais mais difíceis.

A Urban Mobility, com sede em Aveiro, comercializa equipamentos Segway através de uma rede de «distribuição com oito concessionários locais», disse à Lusa Ricardo Aleixo, representante da Urban Mobility.

Boa adesão

A área Metropolitana de Lisboa vai receber um Show Room da Urban Mobility ainda este ano. «A cidade não está abandonada temos pessoas permanentemente em Lisboa», ainda assim Ricardo Aleixo salienta a necessidade de uma área permanente em Lisboa.

O impulsionador do Segway em Portugal diz que a adesão a este equipamento tem sido muito boa. «Já estamos em Portugal desde 2005 e cada vez mais empresas e particulares adoptam esta tecnologia para deslocação diária ou para o aumento da produtividade», referiu.

Alexandre Carvalho, de 48 anos, vive em Lisboa e utiliza quase diariamente um Segway nas suas deslocações «casa trabalho, trabalho casa». Em cerca de 20 minutos faz um percurso de 5 quilómetros que antes fazia de carro.

Sete mil euros

Alexandre comprou o seu equipamento há cerca de um ano e meio e diz que «compensa claramente» pois não tem custos de manutenção e para além disso sente-se «perfeitamente seguro».

Cada Segway custa aproximadamente 7.000 euros, e tem a hipótese de ser pago a leasing. Apesar de alguns clientes acharem o equipamento «caro», este permite às pessoas «ter custo zero após a sua aquisição», justifica Ricardo.

O Segway tem garantia geral de dois anos, o custo calculado para a carga completa das baterias é de doze cêntimos e a segurança é o «ponto máximo», todos os componentes estão em duplicado, tem duas baterias, dois computadores de bordo, cinco giroscópios.

Não desliga

«Nunca corremos o risco de ele desligar e cair descontroladamente», garantiu.

«Todos os anos temos um crescimento acima dos dois dígitos no nosso volume de vendas, é um facto que com a crise energética do ano de 2008, batemos um record de vendas»,comentou.

«Cada vez mais colocamos carros dentro das cidades e torna-se impossível continuar a crescer a este ritmo, é um equipamento não poluente como o Segway que irá dominar no futuro», concluiu Ricardo Aleixo.