Dizer «Eu quero», romper com as tradições e antecipar as dificuldades inerentes ao facto de se ser mulher. Estes são os «mandamentos» do psicólogo espanhol José Maria Buceta para as mulheres «crescerem» dentro das empresas.

No dia em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, este especialista em implementar iniciativas relacionadas com o espírito e o trabalho de equipa nas empresas, explica, em entrevista à Agência Financeira, que a principal mudança no mercado de trabalho tem de partir das mulheres: «Elas têm de se preparar e de se formar para liderar equipas».

Homens e mulheres de negócios trabalham cada vez mais fora de horas

Governo abre em Março novo fundo de apoio a empresárias

Actualmente, e falando de uma forma muito geral, sustenta José Maria Buceta, «as mulheres quando chegam às empresas nem sequer pensam na possibilidade de liderarem, os homens pelo contrário, têm logo uma predisposição para pensarem em ser chefes». É esta a diferença entre liderança exercida por mulheres e por homens, diz.

Acima de tudo, as mulheres têm de começar por dizer «Eu quero», depois, explica este psicólogo espanhol, têm de «desenvolver uma qualidade que até é mais comum nas mulheres, a sensibilidade e a capacidade de criar empatias» e, por último, devem antecipar as dificuldades. «Ser mulher e mandar é uma delas», reconhece, «mas cada vez menos e cabe também às mulheres romper essas barreiras no dia-a-dia de trabalho».

Cada mulher deve adoptar o seu próprio estilo de liderança

José Maria Buceta tem constatado que existe uma tendência feminina para adoptar um estilo de liderança que não é o seu, mas de outros homens. No fundo, diz, «adaptam-se ao que esperam delas». Por isso, o seu conselho é que adoptem «um estilo próprio, que se adapte à sua personalidade. Cada vez mais a liderança é associada à pessoa e não ao género».

As empresas, no entanto, também desempenham um papel importante e «devem ajudar as mulheres com capacidade a chegarem à liderança». Muitas até desejariam ou teriam aptidão para isso, mas «é difícil conciliar a vida pessoal e profissional e acabam por abdicar de cargos de maior responsabilidade». As empresas, defende aquele especialista, devem passar a ideia de que a liderança deve ser exercida «com qualidade e não com quantidade».

José Maria Buceta é doutorado em Psicologia e Master em Ciência. Colabora como trainer na High Play consultores (www.highplay.pt), mais propriamente na Guru`s Agency (www.gurusagency.com), actuando nas áreas de liderança, motivação e trabalho de equipa e nos dias 25 e 26 de Março, estará em Lisboa e no Porto para falar sobre «A Excelência na Liderança» e «Executivas de alto rendimento», respectivamente.