O ministro dos Transportes de Angola garantiu esta quinta-feira em Luanda que o acordo assinado entre a companhia aérea nacional TAAG e a sua congénere Emirates não prevê qualquer tipo de despedimentos na empresa angolana.

Transportadora aérea angolana TAAG será gerida pela Emirates

Augusto Tomás, que falava à margem da reunião da Comissão Económica do Conselho de ministros, referiu que, «antes pelo contrário, prevê aspetos ligados à formação e à potenciação dos gestores e quadros técnicos angolanos no âmbito da academia que a Emirates possui».

«Poderá sim existir neste quadro uma reconversão de alguns trabalhadores que poderão prestar serviços noutras áreas dos transportes e no setor aéreo, em particular, e eventualmente criar condições de proteção na velhice para aqueles que estão em idade de entrar na reforma e gradualmente equilibrar a empresa do ponto de vista económico e financeiro», explicou.

O governante angolano referiu ainda que o acordo de parceria estratégica, assinado na terça-feira e que deixa a TAAG sob gerência da Emirates, visou «criar condições favoráveis para a vida dos trabalhadores».

O acordo entre o Ministério dos Transportes e a administração da Emirates envolve um contrato de gestão de topo da TAAG pela companhia dos Emirados Árabes Unidos. A Emirates passará a nomear o Presidente do Conselho de Administração da TAAG e mais três administradores executivos, de um total de nove elementos.

Segundo o ministro dos Transportes angolano, com a parceria «nascerá uma nova TAAG, que se pretende alinhada com os padrões e o estado da arte a nível mundial».