Centenas de brasileiros residentes em Portugal votavam ao fim da manhã de hoje, na Faculdade de Direito de Lisboa, para eleger o presidente do Brasil com a esperança que as eleições mudem o país.

Os 17.286 eleitores brasileiros registados em Lisboa podem votar na Faculdade de Direito até às 17:00, estando o ato eleitoral a decorrer com normalidade e sem filas.

«Acho que hoje estão a correr muito bem as eleições em Lisboa. Uma pessoa demora no máximo, entre votar e sair, 10 minutos», disse à agência Lusa o cônsul do Brasil em Lisboa, Ruy Casaes.

O cônsul adiantou que na primeira volta das eleições existiram filas devido à afluência de brasileiros que ainda têm o cartão do eleitoral do Brasil e pensavam que podiam votar, mas tal não é possível.

Sem número sobre a adesão às urnas em Lisboa, Ruy Casaes afirmou que, «pelo movimento das pessoas, o número de eleitores a votar hoje na Faculdade de Direito é semelhante à primeira volta».

A 05 de outubro, a abstenção em Lisboa foi de 67,7%, apesar do voto ser obrigatório.

O cônsul do Brasil em Lisboa frisou que até se entende a abstenção dos brasileiros que vivem em Lisboa, tendo em conta que já residem em Portugal há muitos anos e existe um distanciamento do país de origem.

No entanto, destacou que o número de eleitores que pediu a transferência do seu domicílio eleitoral para Lisboa aumentou 45%, entre 2010 e 2014, o que demonstra «algum interesse daqueles que imigraram para Portugal nos últimos anos».

A viver em Portugal há 26 anos, Ana Almeida disse à Lusa que «sempre votou» por considerar que as eleições são importantes, uma vez que tem familiares a viver no Brasil.

Ana Almeida espera uma mudança no país com as eleições, mas tem dúvidas se tal vai acontecer: «Acho que a mudança é importante, mas se quem ganhar for a continuidade, não vai mudar alguma coisa, mas se o outro vai mudar para melhor ou pior, também não sei. Como se costuma dizer, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come».

Já Durval Santos, disse à Lusa que, apesar de morar em Lisboa há mais de 25 anos, é importante votar porque o Brasil é o seu país e é necessário melhorá-lo.

«Espero mesmo que mude para melhorar porque a bagunça, o desrespeito, a confusão são tal que têm que acabar e mudar», sustenta.

Também Cristina Bernardo refere que votar é importante, pois os seus familiares moram no Brasil e as notícias que recebe diariamente dão conta de um país com um custo de vida muito elevado.

«O Brasil está mesmo de pernas para o ar, vai ter que mudar e tirar quem está lá. Queremos o progresso. Estou muito confiante que o Aécio ganhe», diz a brasileira a viver há oito anos em Lisboa.

Em Portugal, de acordo com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), moram 92.120 brasileiros, mas apenas 30 mil estão recenseados para votar nas eleições brasileiras.

Além dos 17.286 eleitores brasileiros registados em Lisboa, há 12.374 eleitores no Porto e 1.250 em Faro, de acordo com dados fornecidos pela chefe da 1ª Zona Eleitoral do Exterior do Brasil, Juliana Bandeira.

A segunda volta das eleições presidenciais brasileiras ocorrem hoje e os brasileiros podem escolher Rousseff ou o candidato Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira, de centro-direita. Devido às diferenças de fuso horário de até três horas no Brasil, o encerramento das urnas começa às 19:00 horas de Lisboa, e estende-se até as 22:00.