O filme porno que deixou todos em alvoroço

Filme não evitou a censura na China

Por: Redação    |   1 de Março de 2012 às 11:11
Foi considerado o primeiro filme pornográfico a três dimensões (3D) e deixou a China de «boca aberta».

Num país onde a liberdade de imprensa e de expressão é muitas vezes uma miragem, o filme não evitou a censura, mas o entusiasmo foi tal que centenas de chineses estão a planear - já desde o ano passado - excursões às mais permissivas Taiwan e Hong Kong, onde podem ver finalmente a versão original, sem cortes.

«Sexo e Zen: Êxtase Extremo» é um filme de pouco mais de dois milhões de euros, cuja história se situa na promíscua corte da dinastia Ming, na China Antiga. Apesar de se basear claramente no clássico erótico chinês «The Carnal Prayer Mat» (O tapete carnal de oração, numa tradução literal), acaba por ser também um remake do filme chinês «Sexo e Zen», que data de 1991. A película mostra a história de um jovem que faz amizade com um duque e, pela sua mão, entra num mundo de orgias reais e todo o tipo de trama sexual.

O autor e produtor do filme, Stephen Shiu garantiu aos jornalistas que o mesmo tem «cenas de sexo muito gráficas» e que «a audiência sente-se como se estivesse sentada ali mesmo à beirinha da cama». Shiu admitiu já que o entusiasmo à volta da película na China se deve ao facto de retratar um mundo que é proibido no país.

O elenco de «Sexo e Zen» é dominado por actrizes japonesas, apesar de o filme ser falado em cantonês. O filme é realizado por Christopher Sun. Esta pode ser a fórmula para salvar a indústria, que tem atravessado tempos difíceis, enfrentando a dura concorrência da pornografia grátis a circular na Internet.

Veja aqui o trailer promocional para Hong Kong:

PUB
Partilhar
FOTOGALERIA:
Playboy

Praça Tiananmen EM CIMA: Praça Tiananmen
COMENTÁRIOS

PUB
Ministra reitera reposição de 20% dos cortes salariais

Maria Luís Albuquerque vai assim de encontro ao que Pedro Passos Coelho já tinha dito esta quinta-feira de manhã, quando rejeitou a reposição dos cortes salariais na totalidade em 2016. No debate do OE2015 na generalidade, a ministra disse não temer não ser confrontada, no futuro, com o que fez nesta legislatura. Isto porque, garante, processo do Orçamento é transparente. Diz ainda que fica «pasmada» quando se fala em aumento da carga fiscal neste orçamento