Banca põe à venda 3500 casas penhoradas

Rede imobiliária congrega base de dados com imóveis executados pelos bancos, a preços mais vantajosos

Por: Redação / JF    |   19 de Abril de 2011 às 14:44
É uma base de dados com 3500 imóveis, executados pelas instituições bancárias, e que entram no mercado a preços mais favoráveis. A rede imobiliária REMAX assinou acordos com diversos bancos, com garantias de financiamento até 100%.

A imobiliária promete, em comunicado, que neste acordo com os bancos os spreads são também mais competitivos, mas que acima de tudo os imóveis estão em condições vantajosas para os potenciais compradores: os descontos vão depender do montante já liquidado ao banco aquando da execução, até 100% do valor do empréstimo, e incluem já a pré-avaliação do imóvel.

A REMAX assinou acordos com o Caixa Geral de Depósitos, Millennium BCP, Santander Totta, BES, Banif, Banco Popular e Montepio Geral para a venda destes imóveis penhorados pelos próprios bancos que se associam à imobiliária nesta iniciativa que a presidente-executiva da empresa chama de «solução anti-crise».

«Por um lado vem ajudar a banca a escoar os imóveis penhorados que prejudicam o balanço das instituições bancárias e ao mesmo tempo dá a oportunidade a novos interessados de acederem a um conjunto de imóveis com condições de venda mais competitivas, num momento em que o acesso ao crédito está mais condicionado», sublinha Beatriz Rubio.

No comunicado, a REMAX refere que esta bolsa de imóveis executados inclui apartamentos, moradias, terrenos e lojas em todo o país, e estão inseridos numa base de dados nacional, que apenas está disponível para consulta pelos profissionais da imobiliária.
PUB
EM BAIXO: Agência Financeira
Agência Financeira
COMENTÁRIOS

PUB
Naufrágio com 700 a bordo: cargueiro português conseguiu salvar 22 imigrantes

Centenas de pessoas podem ter morrido. Só 28 foram resgatadas com vida e 24 cadáveres foram retirados das águas do Mediterrâneo. Teme-se uma das «maiores catástrofes» dos últimos anos. Cargueiro de bandeira portuguesa «King Jacob» está envolvido nas operações de busca, como confirma a Marinha Portuguesa e terá sido mesmo este a avisar as autoridades