«Temos de enviar um sinal de que o euro é irreversível», declarou o responsável.

«Se um país sai do euro isso não significa apenas menos um país, mas a transformação do euro num mecanismo que pode vir a ser desfeito», alertou.

As palavras do governante italiano contrastam com as declarações de alguns economistas e políticos que têm minimizado o impacto de uma eventual saída da Grécia da área do euro.

Já esta tarde, a agência de notação financeira Standard & Poor's emitiu uma nota onde escreve que, a saída da Grécia da zona euro teria «contágio limitado».

Padoan disse ainda que a Itália vai apoiar os esforços da Grécia para dar uma reviravolta na sua economia, com um programa de reformas estruturais a médio-prazo.

Um entendimento entre Atenas e os parceiros não está fácil. Esta manhã, a Alemanha rejeitou o pedido de extensão de empréstimo apresentado pela Grécia.