A agência Fitch manteve o rating de «triplo A» atribuído ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), com perspetivas estáveis, devido ao «forte nível de apoio dado pelos 17 Estados da área do euro» e ao «forte apoio político».

Numa nota hoje emitida, a agência de notação financeira Fitch refere que «o forte apoio político é refletido no estatuto de credor privilegiado atribuído ao MEE» e que «a grande quantia de capital suscetível de ser resgatado [ callable capital] antes da maturidade» permitem manter o rating máximo atribuído ao Mecanismo, cita a Lusa.

«O mecanismo de capital suscetível de ser resgatado antes do prazo [620 mil milhões de euros] é mais forte do que o de outros bancos de desenvolvimento multilaterais. O capital pode ser usado não só para repor capital no caso de perdas, mas também para aumentar a capacidade de empréstimos do MEE», argumenta a instituição.

A Fitch afirma ainda que, «para evitar um incumprimento das obrigações do [ default] do MEE, foi estabelecido um procedimento de emergência [que é] único entre os bancos de desenvolvimento multilaterais», uma vez que «permite que o diretor-geral recorra a esse capital sem a aprovação dos órgãos sociais».

A atribuição de perspetivas ( outlook) estáveis significa que a agência não pretende cortar o rating atribuído ao MEE no curto prazo.

«No entanto, sendo um credor de último recurso, o MEE pode ter de desembolsar amplas quantias de financiamento em pouco tempo e pode atingir rapidamente a sua capacidade máxima de crédito, com toda a exposição potencialmente concentrada num só devedor. Neste cenário (...) o rating passaria a estar significativamente dependente do apoio dos Estados membros», o que exerceria «pressões para cortar» a notação atribuída, explica a Fitch.