A rede social mais importante da China, a Weibo, registou uma quebra na sua atividade na sequência da aprovação de uma medida que visa controlar os comentários dos utilizadores, que podem ser condenados a penas de prisão.

A nova medida foi aprovada há duas semanas depois do Supremo Tribunal da China ter ditado que as pessoas que publiquem comentários «difamatórios» na Internet podem ser condenadas a uma pena que pode ir até três anos de prisão se forem «amplamente divulgados».

A autoridade judicial considerou como «ampla difusão» um comentário que tenha 5.000 seguidores ou que seja reenviado por outros utilizadores mais de 500 vezes através da Weibo.

A medida terá como alvo as personalidades mais influentes das redes sociais, conhecidos como «grandes V», ou seja, os utilizadores cuja identidade foi confirmada pelos administradores da rede social e que são da esfera pública, que têm um número grande de seguidores e, portanto, com enorme e rápida capacidade de divulgação de informação.

«Os grandes V podem provocar uma tempestade», refere a revista semanal chinesa Southern Weekly, que dedica três páginas a este grupo de internautas, entre os quais se destacam personalidades como o magnata imobiliário Pan Shiyi (fundador e presidente da empresa Soho), com mais de 16 milhões de seguidores e o ex-presidente da Google na China, Li Kaifu, com mais de 50 milhões de seguidores.