Para além dos processos que a Volkswagen enfrenta de clientes que querem ser compensados no escândalo das emissões poluentes - que rebentou há precisamente um ano - agora são os investidores do maior grupo automóvel da Europa que exigem indemnizações. O pedido de desculpas do presidente da empresa, Matthias Müller, feito em julho, não parece, por isso, ter surtido o efeito que pretendia. 

Foram apresentadas já mais de 1.400 denúncias de investidores, que exigem 8,2 mil milhões de euros, segundo o tribunal alemão de Braunschweig.

As queixas surgem numa altura em que ecoa o rumor de que o facto de ter feito um ano a 18 de setembro que o escândalo rebentou seria a data limite para quem quiser ser ressarcido avance para tribunal. 

Só os investidores institucionais reclamam cerca de 2 mil milhões de euros. Os restantes 6 mil milhões e pouco são exigidos por investidores privados.

O grupo Volkswagen é dono de 12 marcas (entre elas Audi, Porsche e Seat) e admitiu ter instalado um software que manipulou as emissões poluentes, de modo a parecerem inferiores ao que realmente eram. Uma manobra que afetou 11 milhões de carros no mundo inteiro.

E pelo mundo há uma série de pessoas que querem ser compensadas. Nos Estados Unidos, por exemplo, a VW chegou a acordo para encerrar os processos sobre o caso, pagando para isso 4.400 euros a cada cliente.

No Brasil, também há processos em curso. E na Europa? O presidente executivo da Volkswagen recusa o mesmo nível de compensação para estes clientes, dizendo que isso seria “inapropriado” e “insustentável”.